Home Destaque Operação demole imóveis construídos irregularmente às margens da AL-404

Operação demole imóveis construídos irregularmente às margens da AL-404

0
0

Levantamento do DER aponta que mais de 100 prédios erguidos em local impróprio

Cerca de 100 estabelecimentos construídos de forma irregular em trecho da rodovia AL-404, no bairro da Forene, em Maceió, começaram a ser demolidos na manhã desta quinta-feira (10). A ação acontece por meio de uma ordem judicial expedida no início de 2017.

De acordo com informações do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), o processo judicial vem tramitando desde 2007, mas só em 2015 o órgão recebeu a ordem do processo para demolição Um levantamento e cadastro para notificação dos donos dos estabelecimento foi feito e descobriram vários imóveis construídos de forma irregular. Atualmente, alguns prédios estão com placas de venda.

Ainda segundo o DER, ninguém pode construir na faixa lateral das rodovias, pois pode causar acidentes e danos. O órgão confirma que a fiscalização acontece, mas que praticamente todos os dias um novo estabelecimento aparece

Nesta quinta-feira, o DER está fazendo a limpeza, notificando os estabelecimentos e derrubando alguns restos de construções que não têm dono.
A vendedora de frutas Socorro dos Santos diz que tem o estabelecimento há seis meses e que construiu no local por já existirem outros. “Não recebemos notificação, apenas hoje pela manhã eles chegaram dizendo que temos que sair. Eu gastei dinheiro para construir esse ponto e eles não podem apenas nos despejar”, afirma.

Dono de um lava-jato, Pedro Victor diz que não foi notificado sobre a irregularidade do imóvel. “Os fiscais passaram por aqui há uma semana, mas não notificaram nosso estabelecimento, apenas passaram do outro lado da via. Agora, eles já vieram derrubar e falaram para assinamos o documento, mas nada disso aconteceu. Isso é um absurdo”, conta.
A ação, ocorrida na manhã desta quinta-feira, ocorre com equipes do 8º Batalhão de Polícia Militar (BPM), do Batalhão de Polícia de Guarda (BPGd), do Centro de Gerenciamento de Crises da Polícia Militar e da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), além do Ministério Público.
gazetaweb

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *