Home Destaque Justiça nega pagamento de prêmio da Mega Sena com base em bilhete danificado

Justiça nega pagamento de prêmio da Mega Sena com base em bilhete danificado

Justiça nega pagamento de prêmio da Mega Sena com base em bilhete danificado
0
0

Não é possível declarar alguém vencedor da loteria com base em rascunhos, fragmentos de bilhete ou depoimentos de testemunhas. Dessa forma, a 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região não reconheceu o direito de um casal de sacar um prêmio de R$ 29 milhões que eles alegavam ter vencido em um sorteio da Mega Sena.

 

O homem e a mulher contaram que tinham o costume de fazer apostas contínuas com a mesma remuneração. Em julho de 2014, os números apostados por eles teriam vencido o concurso 1.621. Mas o bilhete premiado teria sido danificado após ser lavado junto às roupas do homem. Os autores sustentavam que a numeração sorteada e o número do concurso ainda eram totalmente visíveis e legíveis.

A Caixa Econômica Federal, porém, negou a entregá-los o prêmio devido aos danos no bilhete. Segundo a instituição, o concurso em questão teve apenas um vencedor e o pagamento já foi efetuado.

O casal acionou a Justiça. Uma perícia judicial concluiu que o bilhete danificano não possuía elementos suficientes que permitissem determinar a sua data de emissão, nem mesmo que ele correspondia ao concurso 1621. Por isso, a 1ª Vara Federal de Porto Alegre negou o pedido e condenou os autores a pagarem multa de 2% sobre o valor do prêmio pela litigância de má-fé.

No TRF-4, a juíza federal Carla Evelise Justino Hendges, que proferiu o voto vencedor, manteve o entendimento de primeiro grau. Segundo ela, a apresentação irregular do bilhete seria um claro desrespeito à legislação.

Porém, a magistrada decidiu excluir a aplicação de multa aos autores. “Como não há comprovação de que tenha a parte autora, deliberadamente, alterado a verdade dos fatos ou ingressado em Juízo para obter objetivo ilegal, tenho que deve ser afastada a multa por litigância de má-fé fixada pelo juízo de primeiro grau”, pontuou. Com informações da assessoria do TRF-4.

Clique aqui para ler o acórdão
5062477-74.2014.4.04.7100

Conjur

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *