Cria
Home Destaque LIBERDADE RELIGIOSA Suprema Corte dos EUA vai decidir se igreja pode ser homofóbica

LIBERDADE RELIGIOSA Suprema Corte dos EUA vai decidir se igreja pode ser homofóbica

LIBERDADE RELIGIOSA Suprema Corte dos EUA vai decidir se igreja pode ser homofóbica
0
0

No mês que vem, a Suprema Corte dos Estados Unidos deverá anunciar sua decisão sobre uma disputa já corriqueira nos tribunais do país — a de entidades cristãs que reclamam o direito excepcional de discriminar a comunidade LGBTQ em nome da liberdade religiosa.

Em Fulton v. City of Philadelphia, a Catholic Social Services processou a cidade da Filadélfia, que cancelou um contrato que lhe garantia fundos para gerir seu orfanato e processar adoções de crianças. A entidade alega que pode rejeitar pedidos de adoção feitos por casais gays porque isso ofende sua religião.

Mas, nesse processo em particular, a comunidade LGBTQ recebeu um apoio insuspeito — o da Igreja Batista, o segundo maior grupo religioso do país. Em editorial em seu site, a Igreja Batista argumenta que uma decisão da Suprema Corte favorável à liberdade religiosa pode arruinar, gradativamente, a liberdade religiosa.

Nesse editorial, a Igreja Batista anuncia que o Baptist Joint Committee for Religious Liberty (BJC) protocolou um amicus curiae na Suprema Corte a favor da Filadélfia. Nesse documento, a igreja defende o direito dos governos estaduais e municipais de cancelar contratos com entidades religiosas que sobrevivem à custa de dinheiro do contribuinte, mas que negam a cidadãos qualificados, mesmo que sejam gays, o direito de serem pais adotivos de crianças temporariamente abrigadas em seus orfanatos.

Em sua petição, a BJC alega que “além de seu interesse em garantir acesso igual ao serviço e à dignidade individual, a política antidiscriminatória da cidade exerce um papel relevante na promoção da liberdade religiosa”.

“Como muitas políticas antidiscriminatórias, a Lei de Práticas Justas da cidade protege os cidadãos contra a discriminação com base em vários fundamentos. A lei estabelece que as entidades que prestam serviços de orfanato e adoção não podem rejeitar casais do mesmo sexo com base em orientação sexual e que essas entidades não podem rejeitar famílias interessadas em nome da liberdade religiosa”, diz a petição.

Se a Suprema Corte decidir contra a cidade da Filadélfia, ela pode garantir a essas entidades cristãs, financiadas pelos cofres públicos, um direito constitucional de negar a adoção de crianças por pais adotivos qualificados, não só porque são casais do mesmo sexo, mas também porque pertencem a outros grupos religiosos.

Segundo a Igreja Batista, a discriminação contra outras crenças já acontece. Na Carolina do Sul, por exemplo, uma entidade protestante, financiada por dinheiro público, se recusa a processar pedidos de adoção feitos por casais judeus e católicos.

“A discriminação contra casais qualificados é inaceitável, por qualquer razão. Isso pode resultar em um impacto profundo no sistema que garante o bem-estar de crianças em todo o país. Há mais de 1,2 mil entidades de adoção nos EUA que fazem contratos com governos estaduais, municipais e de condados para cuidar de crianças. E 39,8% dessas entidades são afiliadas a alguma religião. Organizações baseadas em fé podem ser parceiras importantes dos governos na prestação de serviços sociais, mas devem obedecer às políticas que garantem proteção contra a discriminação”, diz o editorial.

A Igreja Batista argumenta que uma decisão favorável da Suprema Corte a uma suposta liberdade religiosa pode ter repercussão em vários campos, tais como bancos de alimentos para pobres, abrigos para moradores de rua, serviços de ajuda em situações de desastres e muitos outros serviços que tais entidades prestam ao público em geral.

“Não podemos permitir que a liberdade religiosa seja mal usada dessa maneira. A discriminação contra a comunidade LGBTQ e outras minorias religiosas significa que uma entidade cristã está reclamando o direito de causar danos a outros”.

“Longe de restringir a liberdade religiosa, o governo pode assegurar que as entidades que exercem funções governamentais por contrato obedeçam às políticas antidiscriminatórias e, assim, promovam a liberdade religiosa”, escreveu a BJC em sua petição.

Em seu editorial, a Igreja Batista informa que entidades de outras denominações cristãs, como a Miracle Hill Ministries e a Bethany Christian Services, mudaram de atitude recentemente, passando a aceitar pedidos de adoção feitos por casais gays.

A igreja prevê que a Suprema Corte, com sua atual composição (seis ministros conservadores e apenas três liberais), irá provavelmente decidir a favor da entidade cristã.

Mas conclama todas as entidades baseadas em fé a defender a “verdadeira liberdade religiosa contra todas as ameaças — incluindo aquelas mascaradas de defensoras da liberdade religiosa”. Mesmo que a Suprema Corte decida contra os governos, as entidades têm liberdade de escolher não discriminar ao prestar serviços sociais à população, diz o editorial.

Segundo a Pew Reserch Center, 70,6% da população dos EUA é cristã: 25,4% são protestantes evangélicos, 20,8% são católicos, 14,7%, protestantes de linha principal, 6,5%, protestantes negros, 1,6%, mórmons, 0,8%, testemunhas de Jeová, 0,5%, cristãos-ortodoxos, e 0,4% pertencem a outras denominações cristãs. Isso mostra o alcance da próxima decisão da Suprema Corte.

conjur

 

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *