Cria
Home Destaque Pastor acusado de abuso sexual teria praticado 1º crime há 20 anos

Pastor acusado de abuso sexual teria praticado 1º crime há 20 anos

Pastor acusado de abuso sexual teria praticado 1º crime há 20 anos
0
0

Acusado de crimes sexuais, o primeiro caso praticado pelo pastor Esney Martins da Costa teria ocorrido há mais de 20 anos. A informação da Defensoria Pública de Goiás (DPE-GO). Segundo a coordenadora do Núcleo Especializado de Defesa e Promoção dos Direitos da Mulher, Gabriela Hamdan, “esse fio é antigo e não sabemos quando ele para”.

 

As queixas foram registradas pela Defensoria Pública do Estado de Goiás (DPE-GO), após reportagem do Fantástico revelar outros três casos, entre eles, o de uma adolescente. O delegado Rilmo Braga informou que o religioso negou qualquer crime em depoimento.

 

“O que observamos de crimes sexuais por líderes religiosos é que eles têm certa sequência temporal, não são recentes, somente. [Neste caso] É uma sequência de mais de 20 anos, com mulheres diferentes em contextos de épocas diferentes”, disse ela durante coletiva de imprensa nesta quarta-feira (4/8).

 

Até o momento, o pastor já foi acusado por nove mulheres. No entanto, segundo a defensora pública, não é possível quantificar o número de possíveis vítimas. De acordo com Hamdan, elas têm vergonha, uma vez que os abusos começam sutis e, quando percebem, já estão com “dificuldade de sair”.

 

Esney comanda a igreja Renascendo para Cristo, no Setor Parque Amazônia, um bairro de classe média na capital. As denúncias vieram à tona depois de um ex-membro do templo tomar conhecimento dos abusos e de um núcleo de apoio às vítimas.

Perfil das vítimas

 

Segundo Gabriela Hamdan, as vítimas do pastor são mulheres que apresentam vulnerabilidade financeira ou social e que se sentiram acolhidas na congregação liderada por Esney. “Se sentiam muito bem acolhidas pelo pastor”, disse ela.

 

“No início, elas começaram a frequentar a igreja e se sentiram acolhidas. Esse líder religioso se aproximava delas como uma figura paterna e começava a ajudar financeiramente, levar para fazer retiro”, afirmou.

Após ganhar a confiança, de acordo com a Defensoria Pública, o líder religioso começava a praticar os abusos. “Começava-se com uma oração com imposição de mãos como se tivesse pegando no coração e, aí, descia a mão. Era algo sutil, e as vítimas começavam a duvidar se estavam ficando loucas por estarem acusando um homem de Deus”, contou Gabriela.

Investigação

Dois casos estão sendo investigados pela Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam). Já o da garota é apurado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA). O pastor prestou depoimento e disse que é inocente.

“A princípio, o suspeito nega todas as acusações e se coloca à disposição da polícia. O que percebemos é que as informações trazidas aos autos em nada colaboraram com as investigações”, disse o delegado Rilmo Braga, gerente de Planejamento Operacional da Polícia Civil.

Em nota enviada ao Fantástico, a advogada Rosângela Magalhães disse que ele prestou todas as informações solicitadas e está colaborando com as investigações. Segundo ela, as queixas não tratam de fatos praticados com violência ou grave ameaça.

Se forem comprovadas as acusações, o pastor pode ser indiciado por crime de violação sexual mediante fraude e importunação sexual. Somadas, as penas podem ultrapassar dez anos de prisão.

“Intérprete de Deus”

O pastor se apresentava aos fiéis como um “intérprete da vontade de Deus”. Foi com esse discurso que ele conseguiu molestar uma das vítimas.

“Ele falava que era para o meu crescimento espiritual, que era para eu crescer na vida. Ele às vezes confunde até a mente da gente em acreditar que o que ele faz vem de Deus”, afirmou uma das vítimas.

Ela ainda disse que, ao contar ao pastor que tinha sido abusada sexualmente quando era criança, ele insistiu ainda mais: “Você vai ter que passar pela ferida para ser curada. E aí eu fiquei: ‘Meu Deus, eu vou ter que ser molestada de novo para ser curada de um trauma que eu fui na infância?’ Então isso não me deixava dormir”, relembrou.

A família da adolescente relata que descobriu os abusos após perceber a mudança de comportamento da menina. “Todas as vezes que ela ia, chegava em casa chorando e se mutilava – as pernas, as costas. Comecei a desconfiar. Foi um choque. Quando eu vi aquilo, o meu mundo desabou. Morri ali. Eu me sinto culpada de tudo, mas também fui vítima disso tudo. Ele me enganou”, lamentou a mãe dela.

metropoles

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *