Cria
Home Geral Brasil Bolsonaro sanciona Lei do Estado Democrático, mas veta artigo que criminaliza notícias falsas

Bolsonaro sanciona Lei do Estado Democrático, mas veta artigo que criminaliza notícias falsas

Bolsonaro sanciona Lei do Estado Democrático, mas veta artigo que criminaliza notícias falsas
0
0

Nova norma tem como objetivo sepultar a Lei de Segurança Nacional, resquício da Ditadura. Bolsonaro, no entanto, vetou dispositivos que poderiam complicar sua campanha e atos de apoiadores

Jair Bolsonaro (Sem partido) sancionou com vetos o a Lei 14.197, a Lei do Estado Democrático de Direito que, na prática, revoga a Lei de Segurança Nacional (LSN), resquício da Ditadura Militar que tem sido usada na perseguição de inimigos do governo federal.

A sanção foi publicada na edição desta quinta-feira (2) do Diário Oficial da União (DOU), que traz ainda comunicados do Executivo ao Senado sobre os motivos dos vetos.

Bolsonaro vetou, entre outros, o artigo 359-O do capítulo III do PL de autoria do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que criminaliza as fake news, impondo prisão de 1 a 5 anos e multa para quem promover “comunicação enganosa em massa”, com o intuito de “promover ou financiar […] mensagem privada, campanha ou iniciativa para disseminar fatos que sabe inverídicos, e que sejam capaz de comprometer a higidez do processo eleitoral”.

Na justificativa do veto, Bolsonaro afirma que a proposição “contraria o interesse público por não deixar claro qual conduta seria objeto da criminalização, se a conduta daquele que gerou a notícia ou daquele que a compartilhou (mesmo sem intenção de massificá-la), bem como enseja dúvida se o crime seria continuado ou permanente, ou mesmo se haveria um ‘tribunal da verdade’ para definir o que viria a ser entendido por inverídico”.

O Planalto afirma ainda que “a redação genérica tem o efeito de afastar o eleitor do debate político, o que reduziria a sua capacidade de definir as suas escolhas eleitorais, inibindo o debate de ideias, limitando a concorrência de opiniões, indo de encontro ao contexto do Estado Democrático de Direito, o que enfraqueceria o processo democrático e, em última análise, a própria atuação parlamentar”.

Bolsonaro ainda vetou o Art. 359-Q, que permitira a abertura de uma ação judicial a partir de representação de partido político, sem a anuência do Ministério Público, em casos de crimes eleitorais.

Crimes contra a Cidadania
Bolsonaro ainda vetou integralmente o Capítulo V, que dispunha de crimes contra a cidadania”, que previa pena de até oito anos em casos de “atentado a direito de manifestação”, como o impedimento de atos realizados por “partidos políticos, de movimentos sociais, de sindicatos, de órgãos de classe ou de demais grupos políticos, associativos, étnicos, raciais, culturais ou religiosos”.

Na prática, a proposta impediria a ação violenta da polícia e de agentes de estado em manifestações;

A justificativa para o veto se dá pela “dificuldade de caracterizar, a priori e no momento da ação operacional, o que viria a ser manifestação pacífica, o que geraria grave insegurança jurídica para os agentes públicos das forças de segurança responsáveis pela manutenção da ordem”.

Bolsonaro ainda vetou a perda de cargo por militares que cometam crimes, justificando que a medida ” viola o princípio da proporcionalidade, colocando o militar em situação mais gravosa que a de outros agentes estatais, além de representar uma tentativa de impedir as manifestações de pensamento emanadas de grupos mais
conservadores”.

 

Redação com Revista Fórum

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *