Força Jovem. Minha mulher falou: ‘Você vai apanhar’. E eu: ‘Vou ser homenageado, como vou apanhar?’. Cheguei lá e deram uma vaia, tudo armado. Tremi um pouquinho, mas depois aplaudiram. Sou carinhosamente tratado lá”, contou Apolinho, ao Redação SporTV, em 2016.
Bordões e gírias
Lenda do rádio, Apolinho marcou para sempre a cultura futebolística brasileira. Ao longo da carreira, o jornalista criou vários bordões que são usados pelos torcedores até os dias de hoje. Como exemplo, pode-se citar: “chocolate” (para indicar goleada); “mais feliz que pinto no lixo”; “capinar sentado”; e “briga de cachorro grande”.